Thursday, August 11, 2005

Sagradas Escrituras

No princípio, Deus criou o Céu e a Terra. A Terra era informe e vazia e as trevas cobriam a face dos abismos. Não era um sucesso… Deus viu isso e desejou que aquilo nunca tivesse existido, mas isso Ele já não podia fazer por isso o melhor era aceitar o Seu trabalho.

“1. Deus disse: «faça-se luz», e a luz fez-se.
2. Deus viu que a luz era boa e Ele rejubilou-se no Seu coração.
3. Era uma sorte. Ela poderia igualmente ter sido má. Vocês sabem como é, quando se cria qualquer coisa, às vezes sai bem, às vezes sai mal. (…)
4. Deus disse para consigo que, se ele tivesse sabido, teria começado por criar a luz.
5. O que prova que Ele tinha muito que aprender.
6. Ora, Deus, sendo omnisciente, não pode aprender nada que não saiba já.
7. A não ser que, naturalmente, ele tenha decidido no Seu todo-poder não saber esta ou aquela coisa, quer dizer, não ser mais omnisciente.
8. Quer dizer, não ser mais Deus.
9. Porque Deus pode tudo, mesmo deixar de ser Deus. Mesmo suprimir-Se a si próprio.
10. O que é um pouco embaraçoso, porque então Deus não é eterno.
11. Porque se Ele é eterno não pode morrer, mesmo que assim o decida e, então, ele não é todo-poderoso.
12. Deus tem portanto a escolha ou é Eterno ou é Todo-Poderoso.
13. E em ambos os casos: não é Deus.
14. Este é um problema insolúvel.
15. Um problema insolúvel é um problema que não tem solução. Se ele não tem solução ninguém o pode resolver, nem mesmo Deus.
16. Por conseguinte, um problema insolúvel é mais forte que Deus.
17. Mas os problemas insolúveis, como todas as coisas, foram criados por Deus. (Contudo Ele não se lembrava de ter criado essa…) A criatura não pode estar acima do seu Criador.
18. Tudo isto faz pensar.
19. Foi precisamente à força de tanto pensar em tais coisas desde a eternidade da duração que Deus, para mudar as suas próprias ideias, decidiu criar.
20. Mas quanto mais Ele criava mais isso Lhe dava que pensar.
21. Hum…
22. Então, Deus interrogou-se se seria mesmo Deus.
23. Mas se Deus não é Deus, quem é que é Deus?
24. Ham? Ham?
25. Não saio deste ponto.
26. Deus viu que qualquer coisa não ia bem.
27. Felizmente Deus viu que tinha criado a Contradição, e voltou a serenar o Seu coração.
28. Porque, graças à Contradição, Ele podia então ser e não ser ao mesmo tempo (…).
29. Portanto, Ele não tinha nenhuma razão para Se preocupar.
30. Bastava-lhe não pensar mais no assunto.
31. E deixar mesmo de pensar.
32. Porque o pensamento não é bom.
33. Quando começamos a pensar nunca sabemos onde é que vamos parar. Quando Deus começa a pensar o Seu pensamento arrisca-se a dar com isto, o que é muito desagradável: que Ele não existe.
34. Ora, Deus quer existir.
35. Ponham-se no seu lugar.
36. Se Deus tivesse de deixar de existir cada vez que a Sua existência se torna logicamente absurda, não haveria religião possível.
37. E, neste vale de lágrimas, as criaturas não saberiam o que haviam de fazer domingo de manhã antes da hora do aperitivo.
38. E isso seria triste.
39. Felizmente Deus não pensa.
40. Graças a Deus!”


“As Sagradas Escrituras” de Cavanna.

4 comments:

tea & oatcakes said...

"Deus é a única criatura que, para governar, nem sequer precisa de existir" - Charles Baudelaire

tea & oatcakes said...

Um certo padreco dos primórdios notabilizou-se por afirmar qualquer coisa como... retirava precisamente do absurdo lógico a necessidade da crença. Não recordo, infelizmente, o insigne nome do dito. Coisas da memória.

tea & oatcakes said...

... Mas como padralhada é coisa em que a tradição é pródiga, relembremos aqui estoutro refrão:

"Peço a deus que me livre de Deus"
Mestre Eckhart

joão said...

esquecem-se sempre de Angelus Silesius:

O abandono mais secreto

" O abandono capta Deus; mas abandonar o próprio Deus/ É um outro abandono que poucos sabem compreender"

Die geheimste Gelassenheit

Gelassenheit fäht Gott; Gott aber selbst zu lassen,/ Ist ein' Gelassenheit, die wenig Menschen fassen.

p.s- para os interessados em teologia, mística aconselho a leitura deste autor