Thursday, July 08, 2004

Saudades

Tenho saudades de ser criança. Acordar cedo só para não perder os desenhos animados!! Sempre quis crescer rápido e agora tudo o que queria era ser pequena outra vez e voltar a brincar até doerem os pés... Completa inocência em que não se carregava o sempre crescente fardo da responsabilidade.

5 comments:

Mar said...

Hum... às vezes sinto o mesmo... desse tempo maravilhoso onde a minha imaginação era como um cavalo selvagem... onde tudo era tão simples... onde passava o tempo a brincar e a fazer perguntas acerca de tudo quanto me rodeava... Não pela responsabilidade que agora carrego e que sinceraramente não é tanta quanto pensava que seria pois a própria sociedade (que naturalmente precedeu a minha existência) se encarregou (e se encarrega constantemente) de institucionalizar normas que medeiam o nosso contacto intersubjectivo e nos desoneram por isso do fadigoso exercício da liberdade; nem tão pouco por querer viver o passado de outra forma pois vivo na convicção de que saboreei da (humanamente) melhor forma todos os segundos do meu passado; mas tão somente e não menos premente pela simplificada mas não simplificante forma como gozava a cada instante da minha vida...

R@f@ said...

A infancia, lembra-me que a ignorancia na maior parte das vezes é o caminho para a liberdade.... vai dai tb podemos ver que a liberdade é o caminho pelo qual acabamos com a ignorancia.. é triste ver que quando deixarmos de ser ignorantes estamos imediavelmente acorrentados a uum conjunto de principios... é triste

Mar said...

Eu penso que o conhecimento é sempre o caminho para a liberdade e nunca a ignorância, pois se é verdade que quando somos ignorantes desconhecemos a etimologia desses mesmos princípios bem como a sua razão de ser não é menos verdade que esses princípios não perecem por isso e antes continuam a manifestar os seus objectivos práticos condicionando pois o nosso quotidiano ainda que não demos por isso. E assim terá de ser pois sendo o Mundo um só e sendo nós muitos, isso coloca-nos diante de um problema incontornável: o da repartição desse mesmo Mundo. E vamos repartir o Mundo sendo o que somos - Pessoas com uma autodeterminação diferenciada. Porém em vista da anómica anarquia em que assim sinepeicamente se abdicaria, teremos que empenhar-nos em instituir todos nós, uma ordem onde estejamos tal como somos - como sujeitos com uma inviolável dignidade ética (como Pessoas) e logo com direitos, deveres, liberdades e responsabilidades. Pois só assim todos e cada um de nós gozará ao máximo da sua liberdade...

pRiMiNhO said...

Ser criança... é engraçado como os pensamentos mudam... Quando somos pequenos pensamos como queremos ser quando formos grandes... e quando chegamos a grandes, pensamos em como gostariamos de voltar a ser pequenos... pois... eu tenho saudades da infancia, mas nao queria voltar a ela. A infancia e uma boa altura, mas e na infancia que nos aprendemos... e e dai que tiramos os nossos erros e as nossas virtudes... a infancia e uma recordação.. o futuro ainda agora começou para nos..

Maninha said...

Agora que sei o que é ser criança e ser "adulto" se pudesse escolher entre os dois escolheria voltar a ser criança...
Doi muito mais a realidade da vida do que as palmadas dos nossos pais...
Sobretudo gostava de voltar a ser criança para aproveitar melhor os momentos inesqueciveis que vivi com a minha maninha...