Monday, June 30, 2008

Quote

Preocupe-se mais com a sua consciência do que com a sua reputação. Porque a sua consciência é o que você é, e a sua reputação é o que os outros pensam de si. E o que os outros pensam de si é problema deles.

Pensamento atribuído a Osho

Sunday, June 29, 2008

O príncipe

"Os homens mudam de governantes com grande facilidade, esperando sempre uma melhoria. Essa esperança leva-os a levantar-se em armas contra os actuais. E isto é um engano, pois a experiência demonstra mais tarde que a mudança foi para pior."

Maquiavel in O Príncipe

Saturday, June 28, 2008

Quote

"Que Deus me proteja dos meus amigos. Dos inimigos, cuido eu."

Voltaire

Friday, June 27, 2008

Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo
Mal de te amar neste lugar de imperfeição
Onde tudo nos quebra e emudece
Onde tudo nos mente e nos separa.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Wednesday, June 25, 2008

Grrrrr!

Mas por que é que as pessoas não lutam por aquilo que querem em vez de se andarem a queixar?????

Tuesday, June 24, 2008

Primeiramente



Acordo sem o contorno do teu rosto na minha almofada, sem o teu peito liso e claro como um dia de vento, e começo a erguer a madrugada apenas com as duas mãos que me deixaste, hesitante nos gestos, porque os meus olhos partiram nos teus.

E é assim que a noite chega, e dentro dela te procuro, encostado ao teu nome, pelas ruas álgidas onde tu não passas, a solidão aberta nos dedos como um cravo.

Meu amor, amor de uma breve madrugada de bandeiras, arranco a tua boca da minha e desfolho-a lentamente, até que outra boca – e sempre a tua boca – comece de novo a nascer na minha boca.

Que posso eu fazer senão escutar o coração inseguro dos pássaros, encostar a face ao rosto lunar dos bêbados e perguntar o que aconteceu.

- Eugénio de Andrade

Amizade

Jantámos sardinhas,
vimos balões que sonhavam ser estrelas cadentes,
sonhámos ser também pequenas estrelas a aquecer a escuridão,
vimos o céu vestir-se de todas as cores,
vimos a liberdade em caras sorridentes.
Martelos, manjericos, devoção.

Há sempre quem valha a pena.

Monday, June 23, 2008

Homenagem

Ao poeta das flores e dos pássaros,
dos frutos e das mãos,
do amor e dos amantes,
de todas as palavras, mesmo as interditas
do mar e do verão,
da água e da terra,
do sol e da sombra,
do branco e do obscuro,
do olhar e das cumplicidades
das rosas e da língua
do lume e da sede.

O poeta.


"Terra: se um dia lhe tocares
o corpo adormecido,
põe folhas verdes onde pões silêncio,
sê leve para quem o foi contigo.

Dá-lhe o meu cabelo para sonho,
e deixa as minhas mãos para tecer
a mágoa infinita das raízes
que no seu corpo um dia hão-de beber."

Eugénio de Andrade

Sunday, June 22, 2008

Primeiro estranha-se...

Em 1928, Fernando Pessoa foi encarregado de fazer o slogan para a entrada da Coca-Cola no mercado português. Entretanto o regime de Salazar proíbe a sua comercialização justificando que o próprio slogan sugere a sua toxicidade.

"Primeiro estranha-se, depois entranha-se."

Friday, June 20, 2008

Cerco

Todos os lugares onde não posso voltar e que me cercam, só por ter sido contigo que lá estive pela primeira vez. A inocência com que os ias marcando no mapa com pequenos corações encarnados como se de conquistas se tratasse e me deixam agora aqui imóvel sem lugar algum para onde fugir. Porque são eles e só eles que quero revisitar, mas sem ti como ousaria enfrentar o terror de estar só e não poder haver alguém? Como tudo o que fizemos de um modo tão leve, tão descuidado, se transforma agora no chumbo que pesa sobre a minha vida e a vai afundando. Estou quieto no centro de uma memória que facilmente se desiquilibra e me apavora. Sim, pensar no que vimos, por onde andámos, onde nos perdemos e procurámos é um ácido que lentamente me corrói a alma, um vício que me transforma em fantasma. Por vezes nem quero pensar em nada, sou assaltado. Um cheiro intenso e estranho, uma paisagem breve adivinhada do carro, a suave temperatura do vento, e choro. Não quero atraiçoar-te e a todo o momento não faço outra coisa, porque vou insistindo em reviver isso tudo de que a correr nos afastámos. E não podemos regressar por nenhum caminho que não existiu em parte alguma senão neste instante que acabou agora. É tão triste o que tão alegre foi, minha amada.


Pedro Paixão in Amor Portátil

Paris Je T'aime

video

Thursday, June 19, 2008

Concerto nº 23

Poesia


Este é "O Novo Mundo".
A fotografia arrebatadora deste filme certamente marca para
sempre os verdadeiros amantes da sétima arte.
Tem um ritmo lento e doce e um silêncio mágico.
Concerto 23 de Mozart para piano. Adagio.
Não é um filme. É poesia.

Wednesday, June 18, 2008

Hoje estou...


(Esta música sabe a algodão doce...)



Saturday, June 14, 2008

Tempos difíceis...

"Vivemos tempos difíceis. No mundo actual, globalizado, as crises deixaram de ser localizadas, nacionais, e ultrapassaram fronteiras e continentes.

Os políticos, habituados a arranjar um culpado para todas as coisas, atiram as culpas para os Estados Unidos e a China, a Rússia e o Iraque, a Venezuela e a OPEP. E a União Europeia, o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e os peritos do costume dizem que a culpa é do dólar, do petróleo e da escassez de matérias-primas e de alimentos. Encontram sempre uma explicação conveniente, politicamente correcta, e raramente têm a coragem de pôr o dedo na ferida. Porque a ferida é dolorosa. A ferida, a chaga do mundo actual, é querer consumir mais do que aquilo que se produz. A ferida é gastar muito e trabalhar pouco. E isso não é possível sem provocar desequílibrios e injustiças.

Num mundo de recursos escassos, para alguns consumirem em excesso, outros terão de passar fome. Há, pois, que trabalhar e produzir mais, fazer mais sacríficios.

E de quem se espera tal comportamento? De toda a sociedade, obviamente. Mas principalmente dos jovens, porque é deles o futuro. E estarão estes disponíveis para tão importante tarefa?

Vejamos o exemplo de quatro jovens licenciados que eu conheço:
Bernardo, 25 anos, licenciado em Economia, filho de pai arquitecto e de mãe professora. Concluída a licenciatura com boa classificação foi trabalhar para uma multinacional de auditoria. Vencimento inicial: 900 euros mensais. Ao fim de TRÊS dias despediu-se alegando excesso de trabalho. Dada a sua reconhecida inteligência, regressou à universidade onde se encontra a frequentar um mestrado. Há-de fazer carreira no ensino, na administração pública, ou na política.

Maria, 28 anos, licenciada em Engenharia e Gestão Industrial, filha de pai operário e mãe empregada doméstica. Para pagar os estudos trabalhou na cantina da universidade durante todo o curso. O seu primeiro salário como estagiária de uma multinacional francesa foi de 800 euros. Trabalhou em várias sucursais europeias dessa empresa, regressando a Portugal para chefiar um importante departamento. Pela sua capacidade de trabalho e espírito de sacríficio tem o futuro assegurado. Aqui ou em qualquer outro lugar.

Vanessa, 26 anos, licenciada em Psicologia, filha de pai director fabril e mãe técnica de qualidade. Primeiro e único salário: 800 euros mensais. Está há dois anos desempregada. Recusa trabalhos não compatíveis com a sua formação universitária. Apesar dos limitados meios de fortuna dos seus progenitores tem um apartamento alugado, automóvel, e dá-se ares de pessoa importante.

António, 28 anos, licenciado em Matemática, filho de pais pequenos comerciantes. Depois de uma curta e frustrante experiência como professor, decide apostar num negócio próprio. Arrisca, investe e cria uma equipa de trabalho. Pequena mas coesa. O negócio expande-se, consolida-se e prospera. Hoje orgulha-se de ser considerado um jovem empresário de elevado potencial.

Quatro jovens, quatro casos. A Maria e o António, aliando a humildade, trabalho e risco, têm carreiras de sucesso. O Bernardo e a Vanessa, que se julgam credores de todos os direitos e mordomias, marcam passo, vivendo à custa dos pais e da sociedade.

Felizmente há mais Antónios do que Bernardos e mais Marias do que Vanessas.

É isso que me faz acreditar num futuro melhor. "

- Carlos A. Abrantes in Soberania do Povo



Não sei se concordo que há mais Antónios e Marias do que Bernardos e Vanessas. Por isso é que estamos assim. Mas oxalá eu esteja errada.

Parabéns

Gosto do céu porque não creio que ele seja infinito.
Que pode ter comigo o que não começa nem acaba?
Não creio no infinito, não creio na eternidade.
Creio que o espaço começa algures e algures acaba
E que longe e atrás disso há absolutamente nada.
Creio que o tempo tem um princípio e terá um fim,
E que antes e depois disso não havia tempo.
Porque há-de ser isto falso? Falso é falar de infinitos
Como se soubéssemos o que são de os podermos entender.
Não: é tudo uma quantidade de coisas.
Tudo é definido, tudo é limitado, tudo é coisas.

Caeiro

Delayed Devotion

Tuesday, June 03, 2008

Eternamente

E escrevi o teu nome e o o teu número de telefone numa página da agenda do mês de Fevereiro. E, ao escrevê-lo, sabia que era uma despedida, mas todo o mês de Março nos arrastámos na despedida, como caranguejos na maré vazia. Sem ti, lancei outras raízes, construí pátios e terraços, fontes cujo som deveria apagar todos os silêncios, plantei um pomar com cheiro a damasco, mandei fazer um banco de cal à roda de uma árvore para olhar as estrelas do céu, um caminho no meio do olival por onde o luar pousaria à noite, abóbadas de tijolo imaginadas pelo mais sábio dos arquitectos a até teias de aranha suspensas do tecto, como se vigiassem a passagem do tempo. Nada disso tu viste, nada te contei, nada é teu. Sozinhos, eu e a aranha pendurada na sua teia, contemplámo-nos longamente, como quem se descobre, como quem se recolhe, como quem se esconde. Foi assim que vi desfilar os anos, as paredes escurecendo, um pó de tijolo pousando entre as páginas dos mesmos livros que fui lendo, repetidamente. Heathcliff e Catarina Linton destroçados outra vez pela minúcia do tempo.


Como explicar-te como tudo isto se te tornou alheio, como tudo te pareceria agora estranho, como nada do que foi teu vigia o teu hipotético regresso? Ulisses não voltará a Ítaca e Penélope alguma desfará de noite a teia que te teceste.


E arranquei a página da agenda com o teu nome e o teu número de telefone. Veio a seguir Abril e depois o Verão. Vi nascer a flor da tremocilha e a das buganvílias adormecidas, vi rebentar o azul dos jacarandás em Junho, vi noites de lua cheia em que todos os animais nocturnos se chamavam rãs, corujas e grilos, e um espesso calor sobre a devassidão da cidade. E já nada disto, juro, era teu.


E foi assim que descobri que todas as coisas continuam para sempre, como um rio que corre ininterruptamente para o mar, por mais que façam para o deter.


Sabes, quem não acredita em Deus, acredita nestas coisas, que tem como evidentes. Acredita na eternidade das pedras e não na dos sentimentos; acredita na integridade da água, do vento, das estrelas. Eu acredito na continuidade das coisas que amamos, acredito que para sempre ouviremos o som da água no rio onde tantas vezes mergulhámos a cara, para sempre passaremos pela sombra da árvore onde tantas vezes parámos, para sempre seremos a brisa que entra e passeia pela casa, para sempre deslizaremos através do silêncio das noites quietas em que tantas vezes olhámos o céu e interrogámos o seu sentido. Nisto eu acredito: na veemência destas coisas sem princípio nem fim, na verdade dos sentimentos nunca traídos.


E a tua voz ouço-a agora, vinda de longe, como o som do mar imaginado dentro de um búzio. Vejo-te através da espuma quebrada na areia das praias, num mar de Setembro, com cheiro a algas e a iodo. E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre.



Miguel de Sousa Tavares in "Não te deixarei morrer David Crockett"